Origem

O sobrenome GHISI é encontrado de diversas maneiras nos livros e documentos antigos, tornando a pesquisa de sua história uma tarefa um tanto quanto desafiadora. Diversas fontes utilizam sobrenomes como Ghixi, Chisi, Chigi, Gyzi e Γκίζι (Grécia). Além disso, na grafia antiga a letra S era muito similar a letra F, dificultando ainda mais as buscas.

Porém, a maioria das fontes convergem no entendimento sobre quem foi a família Ghisi, conforme exemplo a seguir:

A família Ghisi era originária de Aquileia, em Friuli, mas ligada a Veneza e sua aristocracia por laços de interesse e parentesco que datam da Idade Média.

Membros do Consilium cittadino, parece que os Ghisi haviam recebido dignidade nobre em 1222, através do doge Pietro Ziani, quando Andrea e Geremia Ghisi eram senhores feudais das ilhas de Tino e Miconos.

Confirmado no corpo do patriciado veneziano no Grande Conselho (1297), no décimo terceiro século – o tempo da expedição militar de Marco Sanudo no Egeu – a família Ghisi fez uma importante contribuição para a vitória da Sereníssima República, ficando com a soberania sobre as ilhas gregas de Sciro, Miconos, Tinos e um terço de Negroponte até 1390.

 https://it.wikipedia.org/wiki/Ghisi

De acordo com o texto, os registros mais antigos apontam a família Ghisi como originária da cidade de Aquileia, na Friuli-Venezia Giulia.

Aquilea foi fundada em 181 aC pelos romanos, como uma colônia para bloquear o caminho para bárbaros que ameaçavam as fronteiras orientais da Itália. A cidade constituiu um dos grandes centros nervosos do Império Romano.

Em 452, Átila, rei dos hunos, cercou Aquilea iniciando uma séria de batalhas travadas contra o Império Romano do Ocidente. Algumas fontes indicam que este cerco chegou a durar por três anos. De acordo com o livro “Guida Storica dell’ Antica Aquilea“, é nesse momento que a família Ghisi (ou parte dela) se muda de Aquilea para Veneza:

No perigo visível da Aquilea sitiada, muitos habitantes se espalharam em Veneza, já fundada em Rialto em 421 pelos padovanos, fugidos nas primeiras incursões dos godos”…”Entre as muitas famílias, em várias épocas, recorda-se: Pipini, Bolani, Leucari, Ghisi, Giulî, Tornado, Trevigiano,Diodo, Nicolei, Lucci, Onniboni, Fortunati, Orsi, Magamorni, Lugnani, Barbati, Borselli, Aventu radi, Prothi, Cisi, Tornei, Bredani, Gan, soni, Ma lachî, Isegoldi, Meruli, Gradaloni, Aoldi, Alipato,Arimondi, Balbi, Blonzeni, Delfinigi, Pianigo, Mazamani, Diseovertini“.

Observação: Alguns livros, como “Lagune di Grado”, citam que a família veio de Grado, um porto importante à época, no qual foi construída uma fortaleza quando muitos habitantes de Aquilea se refugiaram na ilha para escapar das hordas de invasores.

Fortaleza de Grado (Castrum)
Fonte: https://www.ristoranteagliartisti.it/2013/06/06/castrum-gradese


Os primeiros membros conhecidos da família Ghisi em Veneza são rastreáveis a partir do século XII. Estes são Lázaro Ghisi, de Cannaregio (1147), Domenico Ghisi, de San Simeon (1172), Giovanni Ghisi que supostamente comandou uma das galés durante o ataque à cidade de Zara (1187) e Peregrino Ghisi, que se torna membro do Conselho de Veneza em 1196.

A reunião do Grande Conselho


Nessa época, Veneza era muito mais do que uma cidade turística como é conhecida nos dias de hoje.

Seu início se deu durante o século V, quando o nordeste da Itália foi devastado pelas invasões bárbaras germânicas. Um grande número de habitantes se mudou para as lagoas costeiras (Laguna di Marano e Laguna di Venezia), procurando um lugar mais seguro para morar. Lá, eles estabeleceram um conjunto de comunidades ao redor da lagoa, unidos para defesa mútua dos lombardos, hunos e de outros povos invasores, devido a diminuição do poder do império romano do ocidente no norte da Itália.

A força de Veneza nasceu do desenvolvimento de relações comerciais com o Império Bizantino. Embora com crescente independência, Veneza permaneceu aliada do Império Bizantino contra os árabes e normandos. Graças à imensa fortuna arrecadada através do comércio marítimo e terrestre com todo o mundo então conhecido, Veneza tornou-se a mais potente das quatro Repúblicas Marítimas da península itálica, que tinham o domínio comercial das rotas do mar Mediterrâneo.

Em 1204, durante a Quarta Cruzada, os cruzados junto com os venezianos tomaram Constantinopla dos bizantinos e criaram o Império Latino. Veneza adquiriu a posse das ilhas e das localidades marítimas comercialmente mais importantes do Império Bizantino.

Nesse momento, aparecem dois personagens importantes da família: Andrea e Geremia Ghisi. Algumas fontes divergem sobre o fato dos irmãos terem participado da Quarta Cruzada, mas nos anos seguintes, quando os cruzados e venezianos começaram a conquistar o resto do território grego, é certo que em 1207 Andrea Ghisi conquistou as ilhas de Tinos e Mykonos e Geremia Ghisi ocupou Skopelos , Skiathos e Skyros, tornando-se os Senhores das ilhas em uma hegemonia da família Ghisi que governou as ilhas por cerca de dois séculos, sendo o último representante George III Ghisi (1384–1390), senhor de Tinos e Mykonos.

A conquista desses e outros importantes portos, como Corfu e Creta, garantiram à Veneza um comércio que se estendia ao Oriente, e alcançava a Síria e o Egito, pontos terminais do fluxo mercantil. Ao fim do século XIV, Veneza era a principal potência mercantil do Mediterrâneo e um dos estados mais ricos da Europa.

Até hoje é possível ver os rastros deixados pela família Ghisi na região das ilhas gregas, como é o caso do Castelo Ghisi (Gyzi), em Mykonos.

“As ruínas do Castelo Gyzi são um marco bastante perceptível na ilha de Mykonos. O castelo está situado em uma colina com vista para a vila de Ano Mera. Na época, este castelo foi projetado para vigiar a vila e seus habitantes. Construído no século XIII pela família Gyzi, que governou Míconos durante esse período, o castelo foi construído como uma fortaleza contra inimigos estrangeiros e também para piratas. Paredes e estruturas fortes e impenetráveis ​​eram um refúgio onde os aldeões podiam se esconder ou lutar contra saqueadores ou intrusos que procuravam habitar a ilha”.
Fonte: https://www.greekboston.com/travel/gyzi-castle-mykonos

Fonte: Kastra.eu
Fonte: Kastra.eu

Porém, foi Agnese Ghisi, irmã de Andrea e Geremia, que chegou ao topo da Sereníssima República como Dogaressa de Veneza!

De acordo com o livro “The dogaressas of Venice : The wifes of the doges” (1845), posteriormente outra integrante da família também chegou à essa posição: Marchesina Ghisi.

The dogaressas of Venice :
Agnese Ghisi, esposa do Doge Lorenzo Tiepolo (1310 – 1312)
Marchesina Ghisi, esposa do Doge Lorenzo Celsi (1361 – 1365)



Após esse período, muitos outros membros da família Ghisi apareceram ao longo da história, sendo alguns citados nas seções Membros Notáveis e Família de Artistas.

Até chegarmos em 1877, quando dois irmãos da família, com muita coragem e esperança numa vida melhor, resolveram trazer sua mãe, esposas e filhos ao Brasil, numa viagem inacreditável contada na seção Viagem Itália – Brasil.



Fontes:
L’eta del comune – L’avvio: IL PRIMO COMUNE – Storia di Venezia
L’isola di Tinos dai Ghisi alla Serenissima (XIV-XV secolo)
Lagune di Grado
https://it.wikipedia.org/wiki/Ghisi
The dogaressas of Venice : The wifes of the doges

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s