A viagem para o Brasil

Do Norte da Itália, os imigrantes italianos partiram de trem até o Porto de Le Havre, na França.

Viagem de trem

Em 02/08/1877 o Vapor HENRI IV sai do Porto de Le Havre com destino ao Porto do Rio de Janeiro, o qual chega em 02/09/1877. A bordo se encontravam a família dos irmãos Romoaldo e Giuseppe Ghisi, filhos de Antônio Ghisi e Domênica Pedrazzoli.

Navio tela 1

Navio tela 2

Lista navio Giuseppe

Lista Navio Romoaldo

Romoaldo Ghisi, 41 anos.
Santa Stefanini, esposa, 40
Maria, filha, 17
Guerina, filho, 11 (Correção: Gherino)
Mauro, filho, 8
Amadeo, filho, 6
Ester, filho, 2
Ignazio, filho adotivo, 11 (filho de Ignazio Ghisi e Adelaide Magnani)
Domenica Pedrazzoli, mãe, 52 (Correção: 62 anos)

Giuseppe Ghisi, 39 anos.
Maria Zapellini, esposa, 34
Angela, filha, 7
Adelina, filho, 5 (Correção: Delelmo)
Amabilia, filha, 12

Observação: Alguns nomes e idades foram informados de forma incorreta na lista.

Vapor HENRI IV – Relação de passageiros 02091877

Após chegarem no Rio de Janeiro, mudaram de Vapor e vieram até Desterro (Florianópolis). Com destino à Laguna, seguiram embarcados nos paquetes (Pequenas embarcações costeiras) e chegando lá seguiram com grandes canoas fretadas até o Porto de Morrinhos, em Tubarão. Desse ponto, deixaram os barcos e foram até Poço Grande, onde após aguardarem alguns dias nessa região a espera de meios de transporte, seguiram durante 12 dias costeando o Rio Tubarão até Pedras Grandes através de carros-de-bois, também fretados (algumas versões citam que esse percurso foi realizado também de barco). Por fim, fizeram o último trecho até a Colônia de Azambuja a pé, com suas bagagens nas costas e em algumas mulas compradas.

Caminho imigrantes.PNG

Veja a seguir um vídeo muito legal do Eusébio Pasini Tonettoque fala sobre essa chegada dos imigrantes.

A Colônia Azambuja foi fundada em 28 de abril de 1877 a partir da primeira Lei Imperial Brasileira de Fomento à Imigração nº 3784/1867 e sancionada pelo Imperador D Pedro II, sendo designado o engenheiro-agrimensor maranhense Joaquim Vieira Ferreira para, junto dos 291 imigrantes italianos vindos da Lombardia, iniciarem o processo de colonização. Juntamente ao engenheiro, chefiavam os trabalhos os catarinenses Manoel Gregório, Manoel Miranda – com o filho Firmo, e Manoel Nazário, que veio com a família de Braço do Norte.

Na foto abaixo observa-se a derrubada inicial da mata e as primeiras casas da Colônia de Azambuja na praça em confluência entre o Rio Cintra e o Rio Pedras Grandes (1877).

Azambuja 1877.PNG

Rua Vieira Ferreira (sem data).

Azambuja sd.PNG

Após permanecerem alguns dias em Azambuja, alguns colonos foram levados para os seus lotes nos rios Pedras Grandes, Canela Grande e Armazém. Giuseppe e Romoaldo Ghisi e suas famílias foram para a localidade de Armazém.

Mapa antigo do município de Urussanga.

Mapa Urussanga Antigo.PNG

Mapa do provável caminho entre Azambuja e Armazém.

Junto com os Ghisi também foram as seguintes famílias:

Baesso, Pietro
Bonetti, Domenico
Bonetti, Florindo
Cataneo, Francesco
Carboni, Luigi
Cargnin, Giovanni
Comelli, Ricardo
Dandolini, Lorenzo
Furlan, Valentino
Furlanetto, Bellini
Librelato, Eugenio
Lotti, Carlo
Minotto, Giovanni
Nicoladelli, Pietro
Negri, Domenico
Orlandi, Giuseppe
Peron, Pietro
Pigarelli, Giacomo
Sandrini, Angelo
Zanella, Ferdinando
Zanini, Cirillo
Zappellini, Giacomo
Zappellini, Giovanni
Zappellini, Gaetano

Fontes:

http://telmotomio.blogspot.com.br/2012/09/post-87-imigrantes-da-colonia-azambuja.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Col%C3%B4nia_Azambuja

http://familiadallapegorara.blogspot.com/p/imigracao-italina-no-brasil.html

https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/172360